Arquivo de etiquetas: Filosofia

13, Número da Sorte

Os sistemas de protecção contra pirataria não protegem ninguém. A experiência do consumidor é degradada, e os piratas, ou arranjam uma forma de contornar a protecção, ou não consomem. Nunca nenhum pirata foi comprar um filme ou um jogo ou um livro ou um album porque não o conseguiu piratear. 

Já o contrário é verdade. Alguns piratas, depois de consumirem, podem tornar-se clientes. Podem evangelizar a arte. Vi isso acontecer com o meu primeiro livro. Quando o vi num site de pirataria, a minha atitude não foi a de ir dizer às pessoas que não o pirateassem. 

Deixei um comentário a explicar que vendas do livro contribuíam muito para a minha qualidade de vida. Pedi que, caso gostassem do livro, para considerarem a compra, ou pelo menos para recomendarem a alguém.

Fiz algumas vendas assim. Ganhei alguns fãs. Não foi nada mau.

Mas as leis de direitos de autor não são a mesma coisa que protecção contra pirataria. Os direitos de autor protegem uma idea, não um objecto. 

É um caso mais sensível, porque as ideas não têm barreiras. Nós não controlamos o que se apodera da nossa mente. Quando ouvimos uma musica, não sabemos que efeito vai ter em nós antes de a ouvir; até podemos ouvi-la sem nunca ter intenção de o fazer. Mas uma vez cá dentro, ela pode apoderar-se de nós, inspirar-nos.

Quem é que tem o direito de nos dizer o que fazer com uma coisa que foi lançada no mundo, e se agarrou à nossa cabeça como um molusco particularmente teimoso, talvez até à nossa revelia?

O reverso da medalha, é claro, é que os artistas merecem ter controlo sob as suas obras, não só sobre os objectos, físicos ou virtuais, através dos quais os fazem chegar ao consumidor. Nenhum artista gosta de ver a sua obra esventrada, prostituída, plagiada. 

É fácil ceder ao cinismo e assumir que a questão dos direitos de autor surge apenas por dinheiro, por ganância. E é bem provável que seja este o caso para muitos dos defensores desses direitos. Mas nunca para todos. Arte, a arte verdadeira, que perdura através das modas, é de parto difícil. O artista sacrifica algo ao criar, pedaço do seu ser divino que nunca irá recuperar.

Até que ponto é que é do nosso direito canibalizar isso? 

Quando empurramos uma criança para o mundo, não podemos esperar que todos a tratem como nós gostaríamos. Algumas pessoas vão aproveitar-se dos nossos filhos. Vão maltratá-los. E vão roubá-los de nós da melhor maneira possível – cativando-os, conquistando o seu amor e amizade. Temos que aceitar isso. É parte do contrato social de colocar um ser humano neste mundo.

Mas isso não quer dizer que toda a gente lá fora tenha o direito de fazer gato e sapato desse ser humano.

Três Coisas

Três coisas não podem ser recuperadas:

A flecha, uma vez disparada

A palavra dita com pressa

A oportunidade perdida.

— Idries Shah, “Caravan of Dreams”, citando Ali o Leão, Califa do Islão

Não faças ameaças que não estás pronto a cumprir. E pensa bem no que vais dizer, antes do o fazer; apenas os tolos pensam que quem demora a responder é lerdo.

Quanto às oportunidades, acho que nem é assim tão mau falhar algumas. Aparecem novas todos os dias.


A citação acima é uma tradução feita por mim, de uma passagem do livro “Caravan of Dreams” por Idries Shah, que traz ao ocidente alguns excertos de filosofia Arábica. Tanto quanto sei, não existe uma tradução oficial Portuguesa.

Como é habitual, não ganho nada se seguirem o link e comprarem o livro.

Podcasts

Podcasts são uma excelente forma de aprender coisas durante a rotina diária, e normalmente também são leves suficiente para entreter. São uma excelente companhia para corridas, caminhadas, lavar louça, e muito mais.

Um amigo pediu-me para lhe fazer umas recomendações, e eu pensei: “Porque não meter no blogue?” Aqui estão:

Só oiço podcasts em inglês. Não por ter algo contra os Portugueses, simplesmente ainda não encontrei nenhum que me cativasse. Aceitam-se sugestões. Entretanto, se quiserem mesmo ouvir algo em Português, e tiverem curiosidade acerca de videojogos, sugiro-vos que explorem o catálogo de episódios antigos do ene3cast, um projecto de que me orgulho.

Big Questions with Cal Fussman – Este podcast é extremamente divertido. O Fussman é um entrevistador exímio, e consegue sempre fazer as perguntas certas para extrair o máximo de sumo possível dos convidados. As entrevistas que me impressionaram mais foram aquelas em que os convidados me pareciam ser aborrecidos ou ter ideias estúpidas. O Cal consegue sempre fazer-me reconsiderar o meu julgamento precipitado.

Waking Up with Sam Harris – Ouvir isto faz-me sentir mais inteligente. O Sam consegue encontrar consistentemente pessoas que sabem falar com rigor e de forma fundamentada acerca de problemas sociais, culturais, espirituais, politicos e económicos. Em termos de qualidade de informação, este programa é imbatível. Muitos episódios de 2017 são excessivamente focados no clima político Norte-Americano ( efeito do trauma do Trump) mas mesmo assim, há aqui muita vitamina cerebral.

Quintus Curtius – É um programa divertido, e de episódios curtos. O anfitrião é um tipo inteligente que traduz tratados filosóficos em Latim como hobby (!!!), e em cada podcast partilha um pouco de filosofia prática que pessoas normais podem aplicar no seu dia-a-dia. É um programa muito acessível; o Quintus nunca tenta ostentar a sua inteligência. Pelo contrário, adopta uma postura muito simples e conversational. Por vezes é um bocado excêntrico, por exemplo no final de alguns episódios mete-se a ler do Twitter coisas que acha piada, e a rir-se do que está a ler. Não posso dizer que aprecio o seu sentido de humor – metade das vezes, não percebo a piada – mas perdoo-lhe isso pois o resto do conteúdo é excelente.

The Tim Ferriss Show – O que há a dizer acerca daquele que é provavelmente o podcast mais ouvido do mundo? O Tim não é um entrevistador tão fantástico como o Fussman, mas compensa pela qualidade das pessoas que encontra para entrevistar. Sejam qual forem os teus interesses – negócios, marketing, filosofia, desporto, fotografia, espiritualismo, ferragem japonesa – ele teve um ou mais dos melhores do mundo a falar sobre isso. Este programa é uma arca de tesouro de conhecimentos, e a única dificuldade é encontrar os pedaços de informação aplicável no meio de conversas que podem durar até duas ou três horas. Faz-te acompanhar de um bloco de notas.

 

Fotografia: slatka60 Flickr via Compfight cc