Arquivo de etiquetas: Crítica

Déraciné

Acima de tudo, Déraciné é uma história contada em formato interactivo. Portanto a primeira pergunta a que é preciso dar resposta é: “Seria esta história melhor contada noutro formato?”

Porque normalmente é esse o caso. A maioria dos jogos de aventura funcionaria melhor como livro do que como videojogo. A maioria jogos de acção funcionaria melhor como filme do que videojogo. Quando se faz um videojogo em que o foco é a história, é necessário ter a certeza que o meio interactivo beneficia a história. Ou ainda melhor – que essa história não funcionaria noutro meio.

Fico feliz por declarar que Déraciné se encaixa na primeira categoria. Isto é: a história que o jogo quer contar poderia ser contada através de prosa ou cinema, mas seria mais fraca em qualquer um desses casos. Só isto, já é um triunfo para o jogo, tão rara é a situação.

Déraciné usa viagens no tempo e o sobrenatural com mecanismos para examinar dois temas: a mortalidade e a fatalidade do destino. Mas a linha com que tece a sua teia narrativa é de intimidade, intimidade que o jogo constrói pedindo aos jogadores que examinem o seu mundo, deixando-os descobrir e fazer ligações entre pedaços de informação sobre cada personagem e eventos passados, quais arqueólogos digitais.

É certo, poder-se-ia replicar este mecanismo noutros meios – por exemplo, escrevendo uma novela em que alguns parágrafos estariam em código, cabendo ao leitor decifrar-los. Mas funciona muito melhor assim, através de interação com um mundo tridimensional.

Ser um jogo em realidade virtual dá mais potência a este conceito. O processo de abrir gavetas, de espreitar por baixo da frincha de uma porta fechada, de olhar em torno de esquinas… Tudo isto dá azo a uma sensação de presença física que estaria ausente fosse este um jogo de aventura na primeira pessoa ou em duas dimensões. Também ajuda a dar mais vida aos personagens, mesmo estando estes, por motivos técnicos e narrativos, quase sempre estáticos.

Portanto Déraciné é um sucesso em três dimensões: é competente na exploração dos temas que se propõe a explorar; é uma história que beneficia do meio interactivo; e é uma melhor composição interativa em virtude da utilização de realidade virtual.

Não é nada mau.