Arquivo de etiquetas: Arte

Homens (Mortos) em Colãs

Lembro-me vagamente do dia em que recebi a minha primeira banda-desenhada de super-heróis. Foi uma segunda opção. O que eu queria mesmo era um Pato Donald ou um Tio Patinhas, mas não havia na tabacaria nenhum que eu não tivesse já lido. Por isso, assim meio contrariado, aceitei levar uma cópia do Homem-Aranha.

Não foi mau. Não me apaixonei, mas gostei suficiente para dar os primeiros passos dentro desse novo género de banda-desenhada.


Passados alguns anos, vão deixar de haver bandas desenhadas da Marvel em Portugal. Ou se calhar foi apenas na região em que eu vivia? Era um puto, e isto são as minhas recordações portanto não vale o trabalho de ir pesquisar. Não sei se foi uma coisa local ou nacional, nem se a razão foi não haver vendas suficientes, mas sei que as senhoras e senhores das tabacarias onde eu os comprava me avisaram que iam deixar de ter as traduções Brasileiras das bandas desenhadas que eu tanto gostava.

De certa forma, até foi fixe. O fim destas edições coincidiu com a história em que o Legião apagava o universo. Fez sentido. Um bom desfecho.


Passaram-se mais anos. Depois de um torneio de Magic the Gathering (não, não ganhei, só ganhei um torneio em toda a minha vida e a única coisa que ganhei foi uma T-shirt rasca, deixem-me em paz!), o tipo que me vendia as cartas mostrou-me as novas edições Marvel em Português Europeu, publicadas pela Devir.

Um dos meus colegas jogadores está a comprar uma. A edição (Portuguesa) número 1 dos (Fantásticos? Magníficos? Qualquer coisa boa.) X-Men. É belíssima – a Devir adoptou o modelo Americano, muito maior do que as edições Brasileiras a que estávamos habituados em Portugal, e em papel de muito melhor qualidade do que aquele que era típico nas nossas importações (ligeiramente melhor do que papel higiénico). 

Excitado como estava, pousei os ombros no balcão para ver melhor. O meu ombro arrasou com o canto da edição novinha em folha que o meu amigo tinha acabado de comprar. Ele entrou em pânico, a tentar freneticamente alisá-la. 

Na altura, já tinha dois irmãos mais novos. Estava habituado à eventual destruição de todas as minhas posses. A ideia de “colecionismo” era-me alheia. Achei caricato, mas tive pena do tipo, por isso comprei-lhe uma nova e fiquei com a machucada para mim.

Foi assim que voltei às BDs da Marvel.


Stan Lee, o homem cujo nome adornou as capas e tantos títulos dessas bandas desenhadas, morreu a 12 de Novembro de 2018. 

Hoje, raramente leio bandas desenhadas, e quando as leio, não são da Marvel. Enjoei. Sinto que já as li todas. A narrativa é constantemente regurgitada. Todos os heróis que morrem, de forma valente ou trágica, acabam por voltar à vida, fruto de um qualquer Deus Ex Machina.

Talvez algum dia descubramos uma forma de trazer os mortos de volta à vida, e ressuscitemos o velho Stan, como fazemos a tantos dos heróis na criação dos quais ele teve um dedo (ou mais).

(E sim, eu sei que a ressureição do herói é um tema mitológico e uma metáfora, mas é usado e abusado em demasia!)

Stan Lee morreu nesse dia. Ele, e aproximadamente 155519 outras pessoas. Provavelmente mais, porque duvido que fora do mundo ocidental sejam tão rigorosos a recolher estatísticas de mortalidade. Penso em algo do género sempre que alguém famoso morre.

Gostamos de dizer que somos todos iguais, que temos todos o mesmo valor. Mas as pessoas que brandam isto mais alto são as primeiras a vir lamentar a morte do famoso, sem dispensar uma mera oração para qualquer uma das outras pobres almas desconhecidas que partilharam do seu destino, nesse dia.

Todas as pessoas são importantes. Todas as pessoas têm uma faúlha do Divino dentro de si. É esta a premissa base para muitos dos sistemas em que se assenta a nossa civilização ocidental. Mas nem todas as pessoas nos tocam com o seu trabalho, com o seu engenho, nem todas as pessoas nos podem ser conhecidas. O trabalho de Stan Lee tocou muita gente, a muitos níveis. Foi curta a fase da minha vida em que fui fã da sua criação, mas fico grato pelas alturas, aqui e ali, em que me cruzei com as crianças da sua criatividade.

Ele idealizou, imaginou, criou imortais. Pergunto-me quanto tempo durará a sua própria imortalidade.

Dezasseis anos de ene3

A ene3 foi um projecto fundado em 2002 pelo DJ_MiND, numa era em que a internet ainda era movida a telefone e os modems faziam barulhos diabólicos sempre que se ligavam. Juntando um punhado de amigos dos fóruns do Sapo, o DJ criou um site dedicado à divulgação dos jogos e consolas da Nintendo, em Portugal – e pouco depois, expandiu-o para abranger todas as plataformas.

A data altura da vida do site, encontrei-me como custódio do mesmo. Nem sempre fiz o melhor trabalho, e tentei, algumas vezes, com diferentes níveis de sucesso, passá-lo a pessoas com maior capacidade do que eu. Mas acaba sempre por voltar às minhas mãos.

Hoje a ene3 ( www.ene3.net ) faz 16 anos. Não foram 16 anos de actividade, porque às vezes a vida mete-se no caminho. 

Não sei ao certo o que fazer com ela, admito. A minha relação com os videojogos não é aquela que já foi; cada vez os acho menos dignos de qualquer tipo de análise para além da mais superfícial. Todas as semanas luto com essa ideia, tento aprender um pouco mais sobre videojogos, sobre o que representam, sobre o seu valor como forma de expressão artística, para criadores e para jogadores. 

Onde está a linha entre a arte que merece – que carece – de alguém que discurse sobre ela, e a mera monetização do desperdício de tempo, a alienação e zombificação de mentes suscetíveis sem qualquer contrapartida para a valorização individual?

Não sei. Sei que não se escreve quase nada de valor sobre videojogos. Não se fala quase nada de valor sobre videojogos. É lixo sobre lixo, e quem lê isto a pensar que é excepção, desengane-se. A lei das probabilidades coloca-te nos 99.9%, não nos 0.1%. Mas eu também não sei fazer melhor. Somos todos formigas a sonhar que são gigantes – e somos assim por ignorância, por arrogância, porque não conhecemos os gigantes. Porque não conhecemos suficiente filosofia, música, cinema, literatura. Porque nos foi vendido um sonho de consumismo e luxúria como arte.

E é por isso que a ene3, no seu 16º aniversário, não está a funcionar.

Porque não vale a pena fazer algo quando não se o vai fazer bem. Não vale a pena ser mais um a berrar num mundo de ruído. 

Foram 16 anos de ene3. Não sei dizer ao certo quantas das coisas boas na minha vida surgiram da ene3, mas acredito que tenha sido a maior parte. Não sei se teria o trabalho que tenho hoje sem os conhecimentos que adquiri na ene3. Não sei se seria escritor, não tivesse sido o acesso a essa plataforma, que me permitiu praticar e levou a minha escrita aos jornais, à televisão, à rádio – aos leitores.

Muito obrigado a todos os que apoiaram, como colaboradores ou leitores ou ouvintes, pontualmente ou consistentemente, a ene3 nestes últimos 16 anos. Se alguma vez a ene3 regressar ao activo, será pela inspiração, pelo respeito, e pelo sentido de responsabilidade que sinto para convosco.

O Belo e o Monstruoso

Estou cansado de ter que justificar o trabalho. Não é arte a sério se é preciso fazer com que seja acerca de algo. Se é preciso fazê-lo sobre direitos humanos, ou direitos dos gatos, ou demonstrar uma preposição política.

“Toda a arte é política!” Gritam eles. Tretas. Claro, a arte pode ser política. Qualquer um que diga o contrário não ouviu os êxitos dos anos 60, não contemplou Guernica.

Mas estas obras não são meramente políticas. São belas. Não foi a mensagem política que as definiu como arte. Foi a componente estética. Foi o facto delas cantarem uma canção à alma de quem as contemplava. Estas obras permitem até a pessoas que desdenham da existência de Deus,  vislumbrar uma réstia do Divino.

Estou cansado de ver propaganda passar por arte. Um miúdo caga numa tela, diz que é a mensagem dele, que é arte. Não é. É merda numa tela. Que raio percebes tu de política, seja como fôr? De quantas almas tiveste o destino nas mãos, quantas decisões difíceis tiveste tu que fazer, decisões que tivessem influência sobre a vida de outros?

Deixa de ser arrogante. Tenta fazer qualquer coisa bela, antes de mais nada. Tenta tocar a alma de uma única pessoa. Tenta arranjar os pés de Mercury a cantar sobre Barcelona, segurar um pouco da luz de C. S. Lewis, de quando ele rabiscava fábulas sobre crianças-cavaleiro e realeza Leonina.