Arquivo de etiquetas: Arte

Alta Definição (II)

Escrever ajuda-nos a apreciar melhor a escrita: a narrativa de um livro, o diálogo num filme.

Pintar ajuda-nos a entender melhor os jogos de cores; fotografar, a cinematografia.

Entrevistar ajuda-nos a perceber melhor a arte do diálogo, e a apreciar a capacidade de esgrima verbal que os melhores entrevistadores exibem nas entrevistas mais difíceis – a proeza com a qual eles ajudam os seus convidados a se abrirem.

Esta última experiência foi o que motivou este breve ensaio; depois de seis meses a entrevistar pessoas, dei por mim a ouvir entrevistas como se fosse um desporto.

Ser um criador, ser um artista… O valor nisso não é só a alegria de produzir experiências.

Criar coisas ajuda-nos a ter experiências em alta-definição.

Foto por Martin Damboldt via Pexels

Falhar em Público

Muita gente não quer mostrar o seu trabalho. Dizem que não é bom suficiente para ser visto por outros. Isto é falsa humildade – o que eles têm não é respeito pelo tempo do consumidor. É medo.

Medo de ser criticados (e com razão). Medo de expôr as suas imperfeições. Medo de ser tomados pelos aprendizes que são, e não pelos mestres que almejam ser.

A questão é que falhar em público dá-nos boa formação. Porque o trabalho nunca vai ser perfeito. Porque mesmo o trabalho com que estamos satisfeitos vai ter críticos. Porque o mundo vai-se encarregar de nos mostrar falhas que não imaginámos.

E porque quando vemos que o mundo não acabou e a nossa reputação não foi destruída por mostrarmos uma obra imperfeita, talvez consigamos relaxar um pouco mais e ter um pouco menos medo quando for altura de mostrar ao mundo “a tal.”

Já agora, não o vais fazer. Trazer “a tal” ao mundo.

Um corpo de trabalho não é “a tal”. É o acumular de anos de falhas públicas; cada uma ligeiramente menos defeituosa que a anterior.

Porta de Entrada

É muito difícil convencer pessoas a experimentar videojogos, porque a entrada no mundo exige muito mais esforço e despesa do que outros tipos de arte/entretenimento.

É possível ganhar interesse por cinema de graça, vendo clássicos nos canais de TV habituais, antes de tomar a decisão de investir num leitor de Blu-Ray e um sistema de home cinema. É possível experimentar os clássicos de qualquer género de música na rádio por online, antes de investir numa aparelhagem de alta fidelidade ou num leitor de vinis. E literatura? Livros são baratos e convenientes.

No caso dos jogos, é muito mais complicado. Os jogos populares são sempre os recentes, que exigem computadores potentes ou consolas específicas que custam quase sempre mais de 200€. Os jogos mais velhos, equivalentes aos clássicos do cinema, são na maior parte dos casos indissociáveis de plataformas proprietárias que ou já não se fabricam, ou são tão caras como as novas, ou funcionam mal com os televisores actuais.

A melhor maneira de alguém se iniciar nos videojogos é através do meio que é olhado com desdenho pelos conhecedores – o telemóvel. Há alguma razões para isso: a maioria dos jogos de telemóvel é terrível, não tem uma réstia de qualidade. E mesmo quando um clássico é apresentado no telemóvel, é de uma forma que lhe retira muito da qualidade. 

(Imaginem se a única forma introdutória de ver O Padrinho fosse através de uma camera de telemóvel a filmar o filme a pensar no cinema.)

Ando a pensar numa forma de introduzir pessoas a este meio. Gostava de formular uma lista de 10 jogos de grande qualidade (e que fossem representativos de uma boa variedade de géneros) que estivessem disponíveis para jogar (legalmente) em condições em telemóveis de média gama e/ou computadores de baixa performance (portáteis). 

Sugestões? Deixem nos comentários.