Arquivo da Categoria: Filosofia

Rendimento Decrescente

É uma expressão moderna para “tudo no seu devido peso e medida.” 

Em qualquer área da vida, é possível procurar optimização até que a busca por optimização tome conta da vida.

Por outro lado, não faz sentido fazer as coisas da maneira mais difícil, quando há uma alternativa melhor.

O ponto de rendimento decrescente é a temperatura de fervura para a optimização.

Quando o esforço em criar melhorias é maior do que o esforço de suportar a situação sem melhoria, é hora de parar, e reavaliar a situação. 

Pintura: Sísifo, por  Vecellio Tiziano

Contexto e Emoção

É um clichê, a pessoa que vai fazer voluntariado para um país em desenvolvimento e quando volta, vive em gratidão pelo que tem. 

Viver e trabalhar com pessoas que não têm suficiente para comer, que muitas vezes não têm acesso a água potável – esse contexto dá outra perspectiva ao que é “dificuldade.”

Mas esse é o mesmo mecanismo que ativamos quando nos comparamos com alguém que ganha menos que nós, que sabe menos que nós, que tem menos capacidade que nós.

Ambas as comparações ativam o mesmo mecanismo; no entanto, uma é vista com admiração; a outra, como insalubre.

A diferença é a “gratidão.” No primeiro parágrafo, usei a palavra gratidão para descrever a sensação que a voluntária tem. No terceiro, não atribuí um estado emocional que a comparação com quem tem menos suscita. Foi o cérebro do leitor que preencheu esse vazio.

Que palavra escolheste?

Pintura: Divas e Lazarus, por Leandro Bassano.

Sobre Preferências

“Não deves ter uma arma favorita, ou, já agora, qualquer tipo de preferência exagerada. Criar demasiado apego em relação a uma arma é tão mau quanto não a conhecer bem suficiente. Não deves imitar os outros, mas usar aquilo que te é adequado, e que consegues manusear com competência. Entreter preferências é mau tanto para comandantes como para soldados.”

— Miyamoto Musashi, “O Livro dos Cinco Anéis”

Como dizia Monaigne, “Amor Fati” – usa e aprecia os recursos que tens à tua disposição, em vez de ser um comediante que só sabe uma piada, um escritor que só sabe escrever quando os astros se alinham, um guerreiro que é indefeso a menos que tenha a sua arma ideal. 

Se tens muitas preferências – se só consegues fazer X quando A, B, C, D, Y e Z estão presentes –  estás a limitar severamente a possibilidade de desfrutar da vida, e a tua habilidade de criar qualquer coisa bela e útil.