Um Movimento Importante

A razão pela qual abandonei a minha carreira médica foi para poder ajudar o maior número possível de empresas a adotar o teletrabalho.

Se alguém pode fazer todo o seu trabalho a partir de um computador, é criminoso fazer essa pessoa trabalhar num escritório.

Faz mal ao meio ambiente, faz mal à saúde física e mental, faz mal à família e, por fim, é mais caro para as empresas.

Precisamos de matar este meme de que as pessoas precisam estar sob supervisão (por norma pouco eficiente) num lugar físico para que sejam produtivas.

Os americanos chama-lhe “a corrida de ratos,” e é uma metáfora tão própria, tão exacta, que só nos faltam as caudas. Foi esta a vida com que sonhámos, para que estudámos? Uma vida em que passamos metade do nosso tempo a correr, e a outra metade a tentar desesperadamente recuperar energia, para recomeçar no dia a seguir?!

À data da escrita, espalha-se uma pandemia pelo nosso continente, mas mesmo antes disso, trabalhar num escritório (aberto ou fechado, com ou sem espaços de lazer, cozinhas, mesas de pingue-pongue, etc.) 8 horas por dia, 5 dias por semana também matava uma pessoa. A única diferença é que levava anos a matar, não dias.

Patrões e donos de empresas: parem de ser um facilitador desta maneira disfuncional de trabalhar. Façam com que o vosso pessoal trabalhem a partir de casa, sempre que possível.

Pintura: Cena em Porto Italiano, por Thomas Wijck