A Arte da Guerra (I)

”Embora tenhamos ouvido falar de pressa estúpida na guerra, a inteligência nunca foi vista associada a grandes demoras.”

Sun Tzu, “A Arte da Guerra”, Capitulo II: Condução da Guerra

Mais um exemplo de uma obra clássica que não oferece respostas fáceis, e no entanto, nos relembra de um princípio fundamental: em tudo, equilíbrio. 

Como diz o provérbio judaico: “Mede sete vezes; corta apenas uma.” A preparação e a precisão são a primeira fase de qualquer plano, e são essenciais para o sucesso. 

Mas o que Sun Tzu aponta é que, a determinado ponto, é preciso confiar que a preparação está na melhor condição que nos é possível, e partir para a acção. O plano perfeito não existe – até porque o encontro com o inimigo obriga sempre a mudanças. 

Perseguir a perfeição, então, é ficar a planear até que o inimigo nos tenha cercado, nos esteja a bater à porta.