Tempo

 A unica coisa que quero,
É a que me estás a retirar,
Perguntando-me o que quero.

Momentos.
Perdem-se entre preocupações.
Para sempre. Para sempre.

Fala, ou não fales.
Mas não perguntes o que falar.
Faz, ou não faças.
Mas não perguntes o que fazer.

Não perguntes.
Não há tempo para perguntas.
Só há tempo para viver.
E muito, muito pouco.

Pintura: “As Quatro Estações Prestam Homenagem a Cronos” por Bartolomeo Altomonte