Culpa e Responsabilidade

“Todos os teus problemas são tua responsabilidade, independentemente de quem os tenha causado.”

David Cain

É o perigo de distorcer as palavras, é o perigo das palavras mudarem com as eras. Há muitos conceitos que só conhecemos através das palavras. Mas às vezes palavras convergem, e perdemos um significado útil.

Responsabilidade costumava ser algo de valor, algo a confiar a pessoas de valor. Ter responsabilidade era ter poder – era ser reconhecido (ou auto-reconhecer-se) como competente, como em controlo do seu destino.

Mas com o passar dos anos, tornou-se uma palavra suja. Uma coisa para atirar aos outros. “Tu és responsável por [algo mau].” 

Responsabilidade não é o mesmo que culpa. Mas nós fizemos com que fosse. Usámos a palavra de forma errada, e vimos a palavra a ser usada de forma errada, e não corrigimos o erro, e agora uma geração inteira não conhece o verdadeiro significado da responsabilidade – e portanto foge dela.

E se ousamos dizer que uma vítima – de outra pessoa, ou de uma doença, ou de um acidente – é responsável pela situação em que se encontra? Que heresia! Não sofreram essas pessoas suficiente?

Mas são responsáveis. Somos todos. Ninguém pode consertar a nossa vida, as nossas mágoas, por nós. E mesmo as doenças incuráveis ou as mágoas irreparáveis – são da responsabilidade do doente e do magoado?

São. Não são sua culpa – nunca isso! – mas é da sua responsabilidade a forma como confrontam a situação.

Somos responsáveis pelos nossos problemas. Temos que ser. As outras pessoas? Têm os delas.

Pintura: “O Dilúvio” por Miguelangelo Buonarroti