Nada de Génio; Apenas Louco

O homem viu a estrela. Viu-a a sério. Viu-a em toda a sua glória e desgraça; viu o génio com que brilhava, mas também as manias, as falhas, a loucura típica dos Homens Que Têm Mundos Inteiros Na Cabeça.

E o homem viu-se espelhado na estrela, e chorou. Desesperou.

Porque identificou-se com todos os defeitos, mas nenhuma das virtudes.

Uma lâmpada suja, por polir; mas lá dentro, nada de génio; apenas óleo.