O Acto de Matar

Como nos sentiríamos se na Alemanha, o partido no poder fosse ainda o partido Nazi? Se as pessoas que cometeram as atrocidades na guerra não só tivessem iludido a justiça internacional, mas também se vangloriassem dessas atrocidades como se tivessem sido actos de heroísmo?

Há um lugar assim, hoje. Na Indonésia, o regime que torturou e massacrou milhões de inocentes que se lhe oponham, ainda está no poder. E os assassinos celebram as suas acções perante os filhos daqueles que mataram.

No filme “The Act of Killing” (2012), o realizador “enganou” os criminosos de forma a que estes simulassem os seus actos passados, na idea de que o documentário serviria para os glorificar. Assim, vemos como estas pessoas interrogavam os seus inimigos, como desmembravam as crianças em frente às suas mães.

Ocasionalmente, um pouco de excesso criativo faz com o filme ganhe uma qualidade alucinatória, quase como se fosse um sonho. Mas nem isso é capaz de nos poupar do verdadeiro terror do filme: estas são pessoas como nós.