O Regresso do Emoji

Se há um tema recorrente nas pessoas que entrevisto no meu podcast acerca de trabalho remoto (isto é, pela internet) é que temos todos um ego muito frágil quando lemos comunicação por escrito. É fácil sentir que os outros nos estão a desrespeitar, ou ao nosso trabalho. Que estão a interromper o nosso ritmo ou a descarregar afazeres em cima de nós como se não tivéssemos mais que fazer.

Eu digo que é o “efeito Twitter”: escrevemos uma mensagem curta, e alguém, em algum lugar, fica ofendido por alguma razão.

A nível de gestão de equipas, isto é um problema, porque não é pratico estar sempre em chamadas uns com os outros. TEM que haver uma forma de nos expressarmos através de texto, mas com mais empatia, certo? 

Se ao menos houvesse alguma forma de transmitir linguagem corporal por texto…

É claro que há. Aqueles de nós que chegaram a conhecer a cultura de IRC e de SMS conhecem bem essa tecnologia, e muitos jogos online nunca deixaram de a usar: o emoji.

Está disponível em todos os programas de chat. Mas por alguma razão, raramente é usado em conversas de contexto profissional. Mas porquê? Quando as pessoas trabalha, num escritório, não sorriem? Não fazem expressões com o rosto?

Vamos trazer de volta o emoji, pessoal? 🙂