Sem o Esforço

Fui aceder ao Evernote, coisa que não faço com frequência. Na verdade, só lá fui porque não sabia o que havia de escrever hoje e pensei que ver notas antigas me podia inspirar.

Não precisei de ir muito longe, porque vi o novo slogan deles: “Sente-te organizado, sem o esforço.”

Vou ignorar o facto de que alguém se sentir organizado não gera os mesmos benefícios do que efectivamente ser organizado (é um ganho a curto prazo versus a longo prazo).

“Sem o esforço.” É uma promessa matreira.

Phantasy Star é um antigo jogo de aventura. É relativamente pouco sofisticado, afinal de contas, tem quase a minha idade. Mas jogando-o hoje, cativa-me mais do que muitos jogos modernos. 

É que, ao contrário da maioria dos jogos modernos, o jogo não faz um registo do mapa quando a personagem avança. Tenho que ser eu, com uma caneta e papel quadriculado, a desenhar o mapa passo-a-passo, para não me perder.

É trabalho demais para jogar um jogo? Talvez. Depende da disposição. Mas é inegável que a experiência fica enriquecida, transcende o meio electrónico, e faz da aventura mais “minha.”

Se o objectivo é satisfação, o esforço é parte disso.