A Passagem do Tempo

Li este ano (não me lembro em que livro) que nos devemos comparar não com o que outros são hoje, mas com quem fomos ontem.

É um bom conselho. A mensagem: não importa onde estamos, desde que estejamos a melhorar.

Mas mesmo por essa métrica, há duas datas que me custam, todos os anos. São o meu dia de anos, e a passagem de ano.

Se calhar falta-me humildade. Mas não consigo olhar para a pessoa que era o ano passado, e ficar satisfeito com quem sou hoje. Mesmo observando que estou num sítio melhor, que houve progresso – nunca é o progresso que quero. Sou um constante insatisfeito. Sinto sempre que podia ter feito melhor.

Não tenho grande lição moral a tirar disto. Prometi a mim mesmo que escreveria algo hoje, e estou a cumprir essa promessa. Se o leitor sofre do mesmo mal, lamento, mas não tenho solução.

Se lhe servir de alguma coisa, saiba que não está só.