Perdido no Correio

Havia uma loja de informática de que eu gostava muito. Tinham bons produtos a bons preços, e ofereciam serviços de montagem e garantias que faziam sentido. Claro, as coisas nem sempre corriam bem. As transportadoras com quem eles trabalhavam não eram as mais profissionais. Mas o apoio ao cliente resolvia sempre o que podia resolver. 

Nem sempre é preciso resolver o problema para o cliente ficar satisfeito. Às vezes basta ser educado, e mostrar que se fez um esforço, que se teve atenção pela pessoa. O serviço é independente do resultado.

A semana passada enviei-lhes um email acerca do tempo de entrega estimado de um produto. Era Sábado, dentro do horário de funcionamento. Na Segunda-Feira ainda não havia resposta. Liguei. Não havia ninguém para atender. Quarta-Feira. A mesma coisa. 

No Sábado, exactamente uma semana depois, chega a resposta, com um pedido de desculpas mas sem justificação. Dizem-me a estimativa de tempo de entrega, como eu tinha pedido. 

Mas quem é que confia numa estimativa de tempo de entrega de alguém que demora uma semana a responder a um email?

A confiança é um bem frágil. Há que manusear com cuidado.