Realidade Virtual

Não me chegam as lágrimas aos olhos com facilidade. Acontece por vezes, ao chegar ao final de um filme especialmente emocionante, ou ao epílogo de um livro particularmente tocante. Mas é raro. Já os jogos em realidade virtual, esses emocionaram-me com regularidade ao longo dos últimos dois anos.

E tenho problemas como utilizador de Realidade Virtual. O estigmatismo do meu olho direito não se dá bem com os capacetes de RV, e mais de metade do campo de visão da minha vista direita fica baço. Sempre que ponho o capacete, tenho que jogar com essa impressão durante alguns minutos, até ao meu cérebro começar a corrigir automaticamente, filtrando a visão quase exclusivamente para o olho esquerdo. Essencialmente, sou zarolho a jogar em RV.

Mas não é isso que me faz lacrimejar! Nesse aspecto, tenho sorte . Consigo estar em Realidade Virtual uma ou duas horas sem cansar os olhos, e nunca enjoo. Excepto em jogos de condução (também enjoo em carros na vida real, por isso faz sentido).

O que me emociona é a beleza do meio. Que fantástico, que belo que é, poder colocar um capacete e ser transportado para um sítio diferente. Não da forma habitual, através da imaginação aliada a um bom sistema de som e a um ecrã gigante. De uma forma que me deixa olhar em volta, e ver que sim, estou mesmo num sitio diferente – não ha uma réstia de realidade presente. Um sítio diferente, com regras diferentes. É como sonhar acordado.

É belo. É mágico. Toda a gente devia experimentar, pelo menos uma vez.

Fotografia: Philicious Photos Flickr via Compfight cc