O Que Ando a Ler / Ver / Jogar (I)

Jogo – Hollow Knight

Por detrás de um exterior fofinho está um jogo de acção e exploração que não dá tréguas. Os inimigos são muitos e desafiantes, e os calabouços estendem-se  pelas profundezas da terra com muito poucos pontos de descanso. 

Um jogo moderno (e belíssimo) que respeita o tempo limitado do jogador adulto, ao mesmo tempo que oferece um desafio que nos remete aos tempos dos jogos clássicos. Não consigo jogar outra coisa, e comprei um comando “profissional” porque os comandos base da Switch não lhe fazem justiça.

(Joga)

Série – Comedians In Cars Getting Coffee

Não gosto de filmes ou séries de comédia; isto é, à excepção daquelas produzidas por humoristas de stand-up. “Seinfeld” é uma das minhas séries favoritas, e ver o humorista a interagir com os seus ídolos e colegas é uma delícia. Como bônus, descobri vários humoristas que desconhecia e à conta disso, enchi a minha fila de Netflix.

(Vê)

Livro – “O Perfume”

Foi-me oferecido por uma amiga e é um livro tão descritivo que me custa um pouco a ler. Não que a descrição seja má ou aborrecida, mas pelo contrário: é tão visceral que sinto que me sobrecarrega os sentidos. Um livro sobre um assassino muito particular, é uma bela janela para um período histórico ao qual não tenho muita exposição.

(Ler)

A Primeira Lei de Marketing

Hoje estava a andar pela baía da terra onde vivo e dei por mim a ponderar a viabilidade dela em caso de aumento dos mares, face ao aquecimento global. (Como é normal.)

Visto que a baía é rodeada por montanhas relativamente altas, parece-me que uma barragem no estreito que a liga ao mar resolveria o assunto com alguma eficiência. É claro que as montanhas não se estendem para sempre. O mar, eventualmente, seria capaz de as contornar. Mas provavelmente não ao ponto de as conseguir rodear.

A consequência – na minha imaginação – seria que a vila ficaria rodeada de pântanos. 

E foi aí que reparei como é que eu visualizo pântanos. Pântanos, para mim, são os lodaçais cinzentos pixelizados do velho jogo Ishar II, um dos primeiros RPGs que joguei.

Sim, já vi pântanos ao vivo. Já joguei dúzias de videojogos com pântanos mais realistas, mais bem realizados, e já li muitas descrições de pântanos em livros e vi ainda mais em filmes.

Mas foram os pântanos de Ishar II que ficaram para sempre associados à palavra, na minha mente.

Num produto, a qualidade é importante. A inovação, é importante. 

Mas ser o primeiro? É impagável.

A Queda

Magoei uma pessoa. E não foi por maldade, mas também não foi por acidente. Foi por matemática, por optimização. Foi puramente racional.

Tenho um problema em confiar nas pessoas – assumo o pior – e isso leva-me a tentar manter em aberto Planos B no caso das pessoas me desapontarem. No caso de elas se revelarem não ser aquilo que parecem ser.

Mas quando alguém se dedica e deposita confiança em ti, descobrir que existe um Plano B – que a pessoa é, essencialmente, substituível – magoa.

Este blog existe para partilhar as coisas que vou descobrindo, na minha viagem para me tornar um homem melhor. Desta vez, estive aquém desse ideal. 

Mas não quero deixar de documentar o facto. Há demasiados relatos de sucesso na internet. Toda a gente caí, mas ninguém fala disso.

Eu estou a falar disso, porque quero o registo aqui – para me ajudar a lembrar que posso e devo ser melhor.

Pintura: Nebuchadnezzar por William Blake

Escritor. Marketer. Dentista. Gamer.