Como Encontrar Um Bom Médico

Aqui está algo que ninguém quer ouvir: a maioria dos médicos são medíocres. Gostamos de colocar os profissionais de saúde num pedestal porque são eles os responsáveis pelo nosso bem-estar e longevidade, e queremos muito pensar que essas coisas estão nas mãos dos melhores, mas os melhores são poucos e é improvável que nos seja atribuído até mesmo um bom médico de forma meramente aleatória.

Tal como em todas as outras profissões, a qualidade dos médicos seque uma distribuição matemática normal. Um punhado é extremamente incompetente. Alguns são meramente maus. A maioria é média, mediocre. Uma modesta percentagem é boa. E outros poucos são excelentes.

Curva de Bell
Representação de uma distribuição normal, “Curva de Bell” ou “Curva em Campânula”

 

Ao chegar a uma clínica ou hospital, a lei da probabilidade encarregar-se-à de nos atribuir um médico de qualidade média. Pensar outra coisa é auto-ilusão para combater ansiedade. E na realidade, na maioria das situações, um médico de qualidade média basta. Não é preciso o Dr. House para passar medicamentos para o sarampo ou para encastrar um braço partido.

Mas se estás numa situação em que é difícil identificar o que se passa, se te sentes mal e não sabes muito bem porquê, então nesse caso um médico medíocre ou não te vai saber ajudar, ou vai estabelecer por defeito o diagnóstico mais estatisticamente provável – não necessariamente o mais correcto.  Isto protege-o, mas  não é necessariamente útil para o paciente.

Podes identificar um bom médico através de um par de características:

  1. Tempo Investido Na Consulta. Especialmente relevante na primeira consulta, mas também importante quando é relevado um sintoma novo. Consultas de menos de 30 minutos não são aceitáveis. Consultas de 15 minutos são uma piada à custa do paciente. Um bom médico passa regularmente uma hora com cada paciente. Fazem exames completos e muitas perguntas.
  2. Capacidade de responder a perguntas e explicar sistemas. Um bom médico explica porque é que as coisas estão mal, o que tem que mudar, e o porquê.  Explica quais os mecanismos da doença e os mecanismos da cura. Se um médico não sabe explicar porque é que um antibiótico não funcionou e é preciso experimentar outro, ou porque é que é importante normalizar um valor especifico nas análises, isso é sinal de que ele não entende o que está a fazer, está meramente a guiar-se por uma “cábula” de valores médios. A maioria dos médicos sabem dizer-te para baixar o colesterol, mas bloqueiam se lhes perguntares para que serve o colesterol, afinal de contas.

O Diagnóstico Correcto Está Na Terceira Opinião

Parte do problema do nosso hábito de ver os médicos como seres sobre-humanos e infalíveis é que não temos o hábito de pedir uma segunda opinião.

Dependendo da severidade da situação (o quão mal te sentes é um barómetro decente para a determinar) ou do nível de violência do tratamento proposto (cirurgias complicadas, grandes mudanças no estilo de vida, etc) vale muito a pena ir falar com outro médico para ter uma segunda opinião.

Se o segundo médico concorda com o primeiro, é decente. Dá para avançar com alguma segurança.

Se não, é preciso desempatar. Sim, é preciso ir consultar um terceiro médico. Não há outra maneira de decidir qual dos outros dois tem razão.

Eu compreendo que ninguém gosta de ouvir isto. É muito desagradável. Ir ao médico é caro e demorado. Nem toda a gente tem a possibilidade de ir a uma instituição de saúde privada. Não tenho boas respostas para esses problemas. Exponho a informação porque acho que é melhor que as pessoas a tenham, do que não. Pode não ser fácil agir em conformidade, mas espero que consigam.

Boa sorte!

A Lenda das Rosas

Danilo era um homem sábio para a sua idade. Fora um dos mais jovens a ser ordenado sacerdote, não em pequena parte devido ao conhecimento que adquiriu em extensas viagens pelas partes mais ou menos civilizadas de Eléssia. O seu mestre, um diplomata, viajara desde a Torre, no extremo mais nortenho do mundo conhecido, até às florestas tropicais das ilhas perdidas do Sul, onde viviam guerreiros que veneravam as árvores e tinham a pele negra como a noite.

Mas o seu mestre não era, realmente, um diplomata. A sua missão sagrada era a de caçar o sobrenatural, os monstros que tinham sobrado como relíquias de um tempo em que a magia ainda governava o mundo, antes de se ter extinto há eras atrás.

A magia estava extinta, mas alguns ecos sobraram, e, em virtude das suas viagens e da tutela do seu mestre, Danilo era uma das poucas pessoas em Eléssia que via tais coisas como mais do que contos para criança.

Quando o seu mestre viajou por Lohander, Danilo estudou com algum interesse o panteão do Deus-Sol, e o papel da família imperial. As filhas da família imperial, sem excepção, estavam fadadas a ser sacerdotisas, e uma delas, uma vez na sua vida, tinha o destino de ser abençoada pelo Deus-Sol: de fazer um milagre. Este milagre era o sinal de que seria ela a próxima imperatriz, e a pessoa responsável por escolher o próximo imperador.

Isto, diziam os homens de Lohan, era a prova de que o seu Deus era o Verdadeiro Deus. Pois que argumentos poderia haver contra uma divindade que permitia, a cada geração, um milagre palpável?

Mas para Danilo, isto provava mais do que a existência de um ser divino. Isto provava a existência do sobrenatural. Se uma escolhida poderia ter acesso a tais poderes, então não seria de dar ouvidos a outros contos improváveis?

E um desses contos improváveis, sussurrado por quase todo o povo de Lohan, mas nunca em frente a estrangeiros, dizia respeito às Rosas.

As Rosas. Havia sempre três. Três mulheres, criadas em extremos opostos do Reino Sagrado, treinadas rigorosamente em mosteiros até as suas predecessoras falecerem, e lhes ser passado o manto de Rosa. Três campeãs do Deus-Sol, abençoadas com o seu poder, abençoadas com o poder de unir o mundo do real com o mundo dos sonhos, de abrir uma pequena janela para o que poderia ter sido, ou poderia vir a ser, e transportá-lo para o agora.

O povo de Lohan, como já fora dito, evitava falar disto perto de estrangeiros, e cedo outras preocupações tomaram conta da atenção do jovem Danilo.

O seu interesse na lenda das Rosas foi-se, e a história ficou esquecida nos recantos da vasta biblioteca que se estava a formar na sua mente.

Até agora.


O meu primeiro livro de ficção fantástica está disponível na Bertrand, na Wook e em formato digital através da Amazon. Mais de duas mil pessoas já o leram. Espero que sejas o próximo(a).

Fotografia por: chiaralily Flickr via Compfight cc

Homens (Mortos) em Colãs

Lembro-me vagamente do dia em que recebi a minha primeira banda-desenhada de super-heróis. Foi uma segunda opção. O que eu queria mesmo era um Pato Donald ou um Tio Patinhas, mas não havia na tabacaria nenhum que eu não tivesse já lido. Por isso, assim meio contrariado, aceitei levar uma cópia do Homem-Aranha.

Não foi mau. Não me apaixonei, mas gostei suficiente para dar os primeiros passos dentro desse novo género de banda-desenhada.


Passados alguns anos, vão deixar de haver bandas desenhadas da Marvel em Portugal. Ou se calhar foi apenas na região em que eu vivia? Era um puto, e isto são as minhas recordações portanto não vale o trabalho de ir pesquisar. Não sei se foi uma coisa local ou nacional, nem se a razão foi não haver vendas suficientes, mas sei que as senhoras e senhores das tabacarias onde eu os comprava me avisaram que iam deixar de ter as traduções Brasileiras das bandas desenhadas que eu tanto gostava.

De certa forma, até foi fixe. O fim destas edições coincidiu com a história em que o Legião apagava o universo. Fez sentido. Um bom desfecho.


Passaram-se mais anos. Depois de um torneio de Magic the Gathering (não, não ganhei, só ganhei um torneio em toda a minha vida e a única coisa que ganhei foi uma T-shirt rasca, deixem-me em paz!), o tipo que me vendia as cartas mostrou-me as novas edições Marvel em Português Europeu, publicadas pela Devir.

Um dos meus colegas jogadores está a comprar uma. A edição (Portuguesa) número 1 dos (Fantásticos? Magníficos? Qualquer coisa boa.) X-Men. É belíssima – a Devir adoptou o modelo Americano, muito maior do que as edições Brasileiras a que estávamos habituados em Portugal, e em papel de muito melhor qualidade do que aquele que era típico nas nossas importações (ligeiramente melhor do que papel higiénico). 

Excitado como estava, pousei os ombros no balcão para ver melhor. O meu ombro arrasou com o canto da edição novinha em folha que o meu amigo tinha acabado de comprar. Ele entrou em pânico, a tentar freneticamente alisá-la. 

Na altura, já tinha dois irmãos mais novos. Estava habituado à eventual destruição de todas as minhas posses. A ideia de “colecionismo” era-me alheia. Achei caricato, mas tive pena do tipo, por isso comprei-lhe uma nova e fiquei com a machucada para mim.

Foi assim que voltei às BDs da Marvel.


Stan Lee, o homem cujo nome adornou as capas e tantos títulos dessas bandas desenhadas, morreu a 12 de Novembro de 2018. 

Hoje, raramente leio bandas desenhadas, e quando as leio, não são da Marvel. Enjoei. Sinto que já as li todas. A narrativa é constantemente regurgitada. Todos os heróis que morrem, de forma valente ou trágica, acabam por voltar à vida, fruto de um qualquer Deus Ex Machina.

Talvez algum dia descubramos uma forma de trazer os mortos de volta à vida, e ressuscitemos o velho Stan, como fazemos a tantos dos heróis na criação dos quais ele teve um dedo (ou mais).

(E sim, eu sei que a ressureição do herói é um tema mitológico e uma metáfora, mas é usado e abusado em demasia!)

Stan Lee morreu nesse dia. Ele, e aproximadamente 155519 outras pessoas. Provavelmente mais, porque duvido que fora do mundo ocidental sejam tão rigorosos a recolher estatísticas de mortalidade. Penso em algo do género sempre que alguém famoso morre.

Gostamos de dizer que somos todos iguais, que temos todos o mesmo valor. Mas as pessoas que brandam isto mais alto são as primeiras a vir lamentar a morte do famoso, sem dispensar uma mera oração para qualquer uma das outras pobres almas desconhecidas que partilharam do seu destino, nesse dia.

Todas as pessoas são importantes. Todas as pessoas têm uma faúlha do Divino dentro de si. É esta a premissa base para muitos dos sistemas em que se assenta a nossa civilização ocidental. Mas nem todas as pessoas nos tocam com o seu trabalho, com o seu engenho, nem todas as pessoas nos podem ser conhecidas. O trabalho de Stan Lee tocou muita gente, a muitos níveis. Foi curta a fase da minha vida em que fui fã da sua criação, mas fico grato pelas alturas, aqui e ali, em que me cruzei com as crianças da sua criatividade.

Ele idealizou, imaginou, criou imortais. Pergunto-me quanto tempo durará a sua própria imortalidade.

Escritor. Marketer. Dentista. Gamer.